Exposições

Fetiche: retrato

Coletiva
Alan Oju
Andre Barion
Andy Villela
Anna Maria Maiolino
Bruno Alves
Emerson Freire
Fernanda Santos
Gustavo Magalhães (INAKUZA)
Irineia
Leoa
Lucas Almeida
Marlon Amaro
Melissa de Oliveira
Miguel Afa
Sandra Gamarra
Siwaju
18/03 a 08/04/2023

Na exposição, a partir de uma pesquisa no acervo da galeria e também de trabalhos de artistas que respondem as questões que pautam a nossa curadoria, temos um breve recorte sobre como o retrato, que é um dos mais antigos sujeitos da história da arte, encontra ressonância nesses artistas com dialéticas tão distintas mas que continuam de uma forma ou de outra pensar e tratar sobre o tema, a representação humana e seus desdobramentos contemporâneos.

Texto de Bob Wolfenson, um dos maiores fotógrafos brasileiros e responsável por retratos icônicos da história nacional.
MILAGRE

O retrato fotográfico é fruto de um encontro, e, como tal, obedece à natureza dos encontros. Explicome: um set fotográfico – seja em estúdio, locação ou no meio da rua – vem carregado de expectativas e pré-concepções.
Entretanto, é na interação com o sujeito, que está diante do fotógrafo para ser retratado, que a coisa se desenvolve. Ou não. E como em qualquer encontro o choque de personalidades, desejos e, principalmente, o acaso, são determinantes para o resultado final.

A ideia de que um fotógrafo possa captar a alma ou a essência mais verdadeira da figura humana, para mim, é uma tolice, mas povoa o imaginário de grande parte dos críticos e apreciadores de retratos. Não acho que ninguém tenha este poder de ir a essas profundezas, e, mais que isso: eu, como fotógrafo, a última coisa que me vem à cabeça é tentar traduzir a essência ou a alma de alguém. Não tenho esta pretensão.
Como dizia, numa feliz metáfora, o grande retratista norte-americano Richard Avedon, “se rasparmos a superfície de um retrato (como numa raspadinha) encontraremos outra superfície, e assim sucessivamente”.

Todo mundo que já foi fotografado sabe que, quando tem uma câmera apontada para si, o sujeito tenta se comportar de maneira a antecipar a pose final. Nada contra, há sempre um aspecto ficcional e uma construção no fazer de um retrato, muito embora a tal da busca da verdade faça, muitas vezes, parecer que procuramos algo muito maior do que é possível encontrar.
A cantilena usual “eu não me reconheço nesta imagem”, ou, por outro lado, “eu sou exatamente isso que está aí neste retrato”, são as duas faces de uma mesma moeda – aqueles que atribuem a uma fotografia o poder de revelar algo admirável e/ou encoberto de alguém. Rejeito esta ideia insistentemente, pois como dizia o filósofo francês Roland Barthes “uma fotografia é sempre invisível, ela nunca é o que vemos”. Interpretações definitivas a respeito de uma imagem, em geral, são artimanhas para justificá-la.

Uma obra com vários retratos de um único fotógrafo diz muito mais sobre o próprio fotógrafo do que sobre os seus retratados.

O retratista atua no comando de poses e/ou coreografias, num fluxo constante de movimentos, gestos e silêncios, até que sinta ter exaurido as possibilidades de uma situação dada, o que, ao final, depende de um senso de cooperação e confiança recíproca entre seu sujeito e ele.
De todo modo, alcançar um bom retrato é quase um milagre, tais os aspectos dissonantes que pairam como um campo de força sobre o momento de fazê-lo, sejam eles: a expectativa do fotografado, o desejo do fotógrafo, o aparato técnico (câmeras, luzes) e os pedidos de quem contratou o trabalho (quando há terceiros envolvidos), todos fatores de intimidação para quem está diante e detrás de uma câmera. No entanto é nessa arena plena de intensidade que se dá a mágica do “milagre”.

Bob Wolfenson